terça-feira, 25 de maio de 2021

O Segredo

O MAIS BEM GUARDADO SEGREDO (...CONTINUA...III) 1. A penã de Sortelha Dona Mencia, depois de muitas andanças retornou à terra onde seu bisavô Afonso Henriques, houve por bem reinar. Foi trazida de longes terras para a corte de Coimbra. As disputas palacianas pelo poder, levaram-na após dias de longa cavalgada por caminhos, veredas, por montes e vales entre as serras do Açor, da Lousã e da Estrela até aos vales de campos dourados de ricas fauna e flora - papoilas, coelhos, malmequeres, javalis, crisântemos, linces, lírios, sacarrabos, espargos selvagens e aqui e ali até ursos - após uma última pernoita entre muralhas no Castelo da Covilhã, mandado erigir por seu avô D. Sancho I, acaba se quedar já para além do Belo Monte. Estas eram terras, para si, ainda mais longe e desconhecidas. Era já dali visível a altaneira e enigmática"Penã de Sortelha"... 2.Dom Clemídes Dona Edvíges, era íntima de Dom Clemides. Dona Mencia já ouvira falar das suas cavalgadas sem fim, por terras de limite desconhecidas e de beleza sem par. Dona Mencia, dera indicação a Dona Edvíges para lhe trazer à sua presença tão viajado cavalgante. Acampados que eram, naquela várzea entre penedos e serranias, junto à Ribeira de Caria conseguia-se por entre barrocos e gestais da encosta vislumbrar a Penã de Sortelha - qual soldado verdadeiramente firme e hirto em sentinela constante desafiando quem ousasse aproximar-se. Parando a sua montada de forma brusca Dom Clemídes, de um fôlego só, entrou na tenda onde Dona Mencia, na sua pose de nobre cortesã o esperava. - Dom Clemides, bem vindo sejais. Dizei-me, vós que conheceis bem estas paragens onde aconselhais um passeio aventurado pela manhã - Dona Mencia não se escusava a uma boa escapadela por difícil e perigosa que fosse. - Senhora Dona Mencia, subir ao topo daquela penha é quase como subir ao Céu e estar no topo do Mundo! - Pois então. Seja. 3. A caminho da Cabeça da Velha O numeroso séquito, com Dona Edviges a supervisionar, afadigava-se em tudo arranjar para um verdadeiro manjar lá no topo. Poder gozar das fragrâncias que pairavam por toda aquela região seria uma bênção. A caminhada dali, parecia um "instantinho", mas Don Clemiades avisara que a subida era longa e até penosa em alguns sítios. A manhã parecia querer estragar a jornada - com uma orvalhada e neblina pouco comuns para a estação - porém, enquanto tudo ficava ao jeito de Dona Edviges o sol começou a brilhar e o céu a ficar mais límpido que nunca. Continua...

domingo, 31 de janeiro de 2021

 Apontamentos de história




O rio Côa e o Rio Águeda nascem a pouco mais de um quilómetro um do outro (mil duzentos e noventa metros, precisamente) e ambos vão desaguar ao rio 
Douro
 .
Os nossos antepassados deambulavam de lugar para lugar à procura de alimentos subiam e desciam as margens dos Rio 
Côa
 e Rio ÁGUEDA há 10 mil, 20 mil, 30 mil anos quando não havia fronteiras deixando marcadas para "memória futura" as suas vivências, os seus anseios, os passatempos, as caçadas enfim toda uma cultura da época.
Estes "recoletores" atravessavam o RIO CÔA para a nascente do RIO ÁGUEDA (Marcos Osório) em direção ao sol nascente passando por lugares fáceis de percorrer. Na zona do Sabugal antes de o Rio Côa fazer a curva que inflete via sopé da Serra da Malcata e a sua nascente já perto desta, onde era fácil atravessar. Evitavam terrenos mais acidentados das Serras das Mesas e da Gata.
Ainda hoje, parece ser possível, encontrar nestes percursos calcorreados vezes sem conta, vestígios e troços dessas passagens. Junto aos Castelos 
Ozendo
 é fácil observar condições ideais para retemperar forças 
com vista a uma caminhada que poderia ser longa (trinta quilómetros), quer descansando quer matando a sede e a fome - água e frutos silvestres abundavam por ali. Mais à frente outra etapa era possível de recomeçar, onde hoje se encontram vestígios de um povoado pré histórico da era do ferro (Sabugal Velho) perto de Aldeia Velha.
"O rio Coa é um rio português que nasce na Serra das Mesas, a 1.175 m de altitude, próximo da Serra da Malcata. Percorre cerca de 135 km até desaguar na margem esquerda do rio Douro, perto de Vila Nova de Foz Côa, a 130 m de altitude.
Águeda é um rio internacional que nasce em Espanha na Serra da Gata; irmão gémeo do rio Côa; tem uma extensão de 130 km e desagua no Douro junto a Barca d'Alva."
Sabia que há outro rio com o nome Águeda afluente do rio Vouga?!
  • fique em casa - vamos continuar a contar curiosidades da nossa terra!

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Janeiras Ozendo 2019


“Dê-nos as Janeiras, dê-nos as Janeiras” ecoou no sábado, dia 12 de Janeiro, pelas ruas e ruelas do Ozendo e nem o frio demoveu o grupo que se juntou para mais um ano cumprir a tradição de cantar as Janeiras.

Por volta das 18h00 começou a volta ao Povo que só terminou por volta das 21h00. Apesar de cada vez mais serem as casas fechadas, a verdade é que muitos são aqueles que convidam a entrar em suas casas para uns momentos de convívio e partilha; o provar de um licor, a “ginginha caseira é boa”, “como está a chouriça?”- Porque mais de ser só cantar as Janeiras, esta noite também vem quebrar algum isolamento que muitas das vezes as nossas populações sofrem.

Depois de terminar a volta, todos se juntaram para degustar as Janeiras com a promessa que para o próximo ano o encontro está marcado novamente.







Matança 2019


quarta-feira, 7 de novembro de 2018




APELO SENTIDO

O Jornal Expresso publicou uma entrevista do  secretário de Estado para a Valorização do Interior em que este afirma:" é duro dizer isto, mas não é possível salvar todas as aldeias".

Como é que se pode salvar uma aldeia???

Como é que poderemos  salvar a nossa aldeia???

Como poderemos no futuro salvar O OZENDO  de se tornar apenas mais uma coutada, um lugar onde apenas crescerão pastagens, mato, floresta, onde as casas ruirão e os seus muros se cobrirão de musgos, nas ruas crescerão ervas daninhas, malvas e urtigas. As estradas e caminhos que tanto custaram a abrir não terão regresso!!!...

Não queremos que tal aconteça

SALVEMOS A NOSSA ALDEIA

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Parece-nos que o NOSSO BLOG https://ozendoarco.blogspot.com/2018/08/pedimos-desculpa-mas-parece-nos-que-o.html ESTEVE BLOQUEADO, talvez por excesso de acumulação de informação. Depois de algum trabalho profícuo conseguimos desbloqueá-lo.

As desculpas pelo incómodo para quem estava habituado a seguir este blog sobre a nossa aldeia.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Feliz Natal



A Associação Recreativa e Cultural do Ozendo deseja a todos os seus sócios e amigos um Natal brilhante de alegria, iluminado de amor, paz e harmonia. Feliz Natal!!

Fogueira 2017

A todos os que quiserem ajudar, encontro marcado para as 8h00 na ARCO, no próximo sábado (23 de Dezembro), para se ir aos tocos para a Fogueira de Natal deste ano.


Presépio Junta Freguesia






segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Torneio

No passado dia 1 de Dezembro, a convite da empresa ao Seu Serviço, o Ozendo deslocou-se a Belmonte para participar num torneio de futsal, no qual participou também equipa do Municipio de Belmonte.


Obrigado pelo convite e convívio! 









terça-feira, 21 de novembro de 2017

Obras






Como forma de rentabilizar os espaços na nossa sede, a ARCO efectuou obras numas casas de banho que se encontravam desativadas de forma a aí fazer um espaço de arrumos.

Cerejeiras

Tendo em conta que as nossas cerejeiras já se encontravam bastante secas e em risco, a ARCO procedeu à sua poda, com vista à sua preservação.




Caminhada de Outono e Magusto

Realizou-se no passado 29 de outubro mais uma Caminhada de Outono, que percorre as belas paisagens pintadas a amarelo, verde e laranja à volta da nossa Terra. O ponto de encontro é sempre a sede da ARCO, onde se partiu em direcção à Torre, passagem pela Praça de Toiros, onde se tomou o pequeno-almoço, Prado, Tapada de Sinos, S. Gregório, S. Antão e chegada ao ponto de partida onde já estava à espera o almoço.

Além das bonitas paisagens, nesta caminhada sempre há tempo para recolher os frutos da época, faltaram os tartulhos, mas não faltaram as castanhas!

Esta caminhada tinha um carácter solidário, já que apelámos que todos os participantes trouxessem roupa, alimentos, produtos de higiene, etc para entregar às vítimas do incêndio de dia 15 de outubro. Assim, nessa mesma tarde fomos entregar alguns a Arganil. Já posteriormente, foram entregues roupas à UBI, para estudantes com dificuldades e à Aldeia SOS na Guarda. Assim, não podemos deixar de dar uma palavra de apreço e agradecimento a todos os que colaboraram.


Como não pudemos realizar o habitual magusto, este foi realizado dia 12 de Novembro, juntando à volta de uma fogueira feita de caruma e onde se assaram as castanhas, um grupo de pessoas que saborearam este fruto. Ah, não faltou a jeropiga!