quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Quadra


“Falar do Ozendo é falar de pessoas simples, com um sério código de honra, de valentes e ágeis rapazes, que têm dado brado nas capeias raianas e de elegantíssimas moças de reconhecida beleza:

                 Oh Ozendo, Oh Ozendo
                Pequenino mas airoso

               Quem nele tomar amores

  Pode-se chamar ditoso.”

 (in: Trabalho dos Mordomos de Nossa Senhora de Fátima, 1999)

Apoio ao Associativismo


No âmbito do programa de Apoio ao Associativismo promovido pelo Município do Sabugal, a A.R.C.O. assinou protocolo que nos atribuiu subsídio no valor de 750 euros referente a 2012. Também nos foi garantido um apoio financeiro de auxílio às obras efectuadas na cozinha da nossa Sede.

A A.R.C.O. à semelhança do que aconteceu com as referidas obras na cozinha, já solicitou ao Gabinete de Apoio às Freguesias da Câmara Municipal do Sabugal, apoio para a execução de um projecto para o ringue do Ozendo.

Também nos foi transmitido pelo Sr. Presidente da Câmara do Sabugal, Dr. António Robalo, que já estava pronto o cabimento para as obras de melhoria das ligações Quadrazais – Ozendo – S. Antão (Vila Boa), estando as obras previstas ainda para este ano.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Ozendo nas Inquirições Paroquiais de 1758

Em 1758, a mando de D. José I e do Marquês de Pombal, foram realizados inquéritos a todas as Paroquias do Reino. As questões eram de âmbito bastante variado e questionavam por exemplo, sobre o número de habitantes, sobre a existência de igrejas, pontes, Misericórdias, sobre a existência ou não de Feiras, de Romagens de registo, estragos feitos pelo Terramoto de 1755, entre outras.

Às perguntas sobre a Paróquia de Quadrazais, respondeu o Padre Paulo Correia da Costa, a 18 de Abril de 1758, que diz: “ Vão respondidos os itens constantes e expressos no interrogatório do folheto junto, com a exactidão de que fui capaz e se, de algum modo, não fui exacto, não o fiz por malícia, mas poderia ter havido negligência, pelo que me confesso aberto e receptivo a qualquer correcção que justamente mereça.”

No que refere ao Ozendo, a nossa Terra vem mencionada na pergunta 6:

“… e tem anexa uma aldeia chamada Casas do Ouzendo, aldeia que tem sessenta e dois fogos, sendo cento e sessenta e duas pessoas adultas e trinta e duas menores, prefazendo, na totalidade, cento e noventa e quatro pessoas…” Ou seja, em 1758, o Ozendo era conhecido por “Casas do Ousendo”, teria cerca de 62 casas e 194 habitantes.



 Na pergunta que se refere às Igrejas existentes, responde assim o Pároco de Quadrazais:  “ …A freguesia tem sete capelas  ou ermidas… A capela das casas do Ouzendo é da invocação de S. Sebastião que protege e guarda aquela aldeia.” Ainda hoje o patrono do Ozendo é S. Sebastião.


No dia do Terramoto de 1755, não deve o Ozendo ter sofrido algum estrago, “…No terramoto de 1755, este povo, por misericórdia divina, não sofreu qualquer ruína, nem consta que, por estas vizinhanças, se padecessem, a não ser na Cidade de Coria, Reino de Castela…onde, no dito dia e ano, caiu a Torre da Catedral e se conta matou alguma gente”.


Estas informações foram retiradas de um trabalho realizado pelos Mordomos das Festas de Nossa Senhora de Fátima, de 1999 (Maria José, Graciete, Manuel Gonçalves e Júlio Valentim). Obrigado Sr. Júlio pela sua cedência para a realização deste artigo.




quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Ozendo












                           (Fotografias de Alberto M L Pachê)

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Ozendo














 
(Fotografias de Alberto M L Pachê)

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Magusto de S. Martinho


O ditado popular diz: Dia de S. Martinho, lume, castanha e vinho…e no passado domingo, 11 de Novembro, no Ozendo, e apesar do frio que se fez sentir, o lume da fogueira de carumba que assou as castanhas e a jeropiga, aqueceram todos aqueles que compareceram ao magusto. Desta vez, a Junta de Freguesia de Quadrazais, uniu-se a esta actividade e proporcionou todos os elementos para que esta se concretizasse, tanto para o magusto como para o churrasco, o que agradecemos desde já.

Mas não há magusto no Ozendo, que não envolva uma sessão de ”farruscadelas”, pelo que ainda as primeiras castanhas saíam da fogueira, já se andavam a pintar caras.

Mas o “Magusto” prolongou-se tarde dentro, já que a seguir às castanhas, a carne assada e os tartulhos apanhados pelo Luís e cozinhados pelas nossas cozinheiras, fizeram as delícias de todos.

Um domingo que uniu miúdos e graúdos, proporcionou bons momentos de convívio e relembrou a todos a importância destas convivências.














 

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Magusto


E como muitas vezes as coisas “não planeadas” são as melhores, o Magusto que se realizou na tarde de dia 3 de Novembro, foi bastante divertido e juntou alguns conterrâneos “à volta “das castanhas e jeropiga.

Neste fim-de-semana de Santos foram muitos aqueles que vieram à Terra e que “reclamaram” umas castanhas assadas. Assim, no sábado, e tendo em conta que chovia bastante, assaram-se castanhas no fogão da ARCO.

O calor da lareira e o calor humano proporcionaram uma tarde bastante agradável, a que não faltaram as tradicionais caras enfarruscadas.