quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Capeia Ozendo 2014


Partilhamos esta informação dos Mordomos da Capeia 2014:

“Queria em nome dos mordomos, convidar-vos a todos a aparecerem no próximo Sábado no Arco Ozendo, pelas 13 horas para uma almoçarada.

O objectivo é encher bem a barriga, para depois irmos todos cortar a lenha que vai servir para construir o forcão da capeia de 2014.

Contamos com todos!”

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Vassouras


Já aqui vimos fotografias de vassouras feitas com o bracejo e almeirão que são ainda produzidas e utilizadas no Ozendo, já que ao redor da Terra é abundante a matéria-prima.

As vassouras de bracejo, mais pequenas e finas são utilizadas no interior das habitações, geralmente empregadas para varrer ao redor das lareiras, para deitar o lixo directamente para o lume. Já as vassouras de almeirão, de maiores dimensões e mais robustas, eram utilizadas para varrer as Eiras na altura das Malhas.

Como o malhar do centeio já não é uma prática habitual, as vassouras de almeirão são usadas no exterior, para varrer escaleiras e na rua.

No livro “Terras de Riba-Côa – Memórias sobre o Concelho do Sabugal (1946)”, de Joaquim Manuel Correia, em texto sobre a Malha, são mencionadas as vassouras de almeirão:

"Acabado de ceifar o centeio, são atados os molhos com nagalhos de palha do mesmo, e depois juntos em pousadas ou rolheiros.Os molhos são formados pelas gavelas, isto é, pequenas porções de centeio que o ceifador vai juntando e que têm um certo número de mãos cheias. Passados dias segue-se a acarreja do pão para a eira, onde se fazem medas mais ou menos elevadas conforme a seara.

As malhas começam alguns dias depois da acarreja do pão (…).

Convidados os malhadores, começa o serviço da malha por deitarem ou fazerem a eirada, espalhando o centeio na eira, ficando as espigas todas de cima. Os valentes malhadores, metade de cada lado, batem alternadamente com os manguais e, depois de darem a primeira volta à eirada, viram o centeio e malham este novamente (...).

Depois, vêm as espalhadeiras, que tiram a palha, sacudindo bem para não levar grão, sendo depois atada em fachas (…).Concluída a última eirada levanta-se o pão, isto é, muda-se com uma pá de madeira de carvalho, para que o vento leve a moinha, operação que se repete até o centeio ficar limpo. O centeio que vai caindo em monte é cercado por uma ou duas espalhadeiras, que o vão acuanhando com vassouras de almeirão, que abunda muito no concelho (do Sabugal).

Depois é medido, ensacado e conduzido para casa deitando-o em arcas de castanho ou carvalho. Se o pão fundiu, se deu fundição, cada cinco molhos ou pousadas dão perto de dois alqueires ou meia fanga, fanega em termo vulgar.Por fim levam-se os sacos para o carro, uns, ao ombro, com uma das mãos segurando o saco e com a outra apoiada no quadril, outros, a dois, dando um a mão direita ao outro, assentando ali o saco, que com as outras equilibram.

Junta que leva dezasseis sacos não é pêca, dizem os lavradores. E para que não haja desastres pelo caminho, prepara-se a tempo o carro, examinado convenientemente o chedeiro, desde a cabeçalha às chêdas, coições, estrituras, tornos, chavelha, eixo, miúdos, cambas do rodado, até aos estadulhos (…). A chavelha mal segura, ou o tamoeiro que rebenta, a soga que se desata ou o jugo que parte, apesar de ser de duro freixo, uma roda que se tira, ou o eixo que arde, tupo o põe em risco dum desastre.

Concluídas as últimas operações da malha (…) aparecem as rebuscadeiras a escolher algum grão que escapasse na moinha arrastado pelo vento."


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Capeia Ozendo 2014


Capeia Ozendo 2014 já mexe! Por razões profissionais o Rúben não vai servir, pelo que à Ana Rita e ao Tiago vai juntar-se o João Salada na Mordomia 2014.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Festa N.ª Sr.ª das Candeias 2014


Realizou-se no fim-de semana passado, dias 1 e 2 de Março, a tradicional Festa de N.ª Sr.ª das Candeias que trouxe à Terra bastantes pessoas, ou não fosse esta uma das Festas com maior devoção.

O movimento de pessoas, os foguetes e as mílharas feitas, comuns neste dia, já faziam adivinhar que iam ser dois dias de arromba. Os Mordomos deste ano, Manel Santos e Ana e Sylvie e Zé tudo fizeram para que tudo corresse bem, estando a Santa e a Igreja decorada em tons de branco e rosa.

Na noite de sábado, após o momento religioso, missa seguida de procissão, seguiu-se a diversão, com baile animado pelo Virgílio Faleiro, já um habitue. O baile durou horas e horas, mantendo-se sempre muito animado. É tradição às 4 da madrugada dar-se uma volta ao Povo, com o acordeão, cantando algumas melodias bem conhecidas mas, este ano o baile prolongou-se até às 6 da matina, o que vez com que só a essa hora se “desse a volta”.

No Domingo, após a Alvorada os mordomos percorreram as ruas do Ozendo para o peditório. A missa realizou-se ao meio-dia e, no fim desta, podemos conhecer os novos Mordomos; Gusto da Ti Marta e Zé da Rita, com as respectivas esposas.

Também ficaram nomeadas as novas mordomas da Igreja, responsáveis pela sua limpeza e manutenção; Luísa, Tina, Isabel, Maria Angelina e Maria Zé, além dos novos mordomos do Senhor; Carlos e Adelino.

Como é habitual, a festa não terminou sem o baile da tarde, abrilhantado pelo Micael, e que fechou com chaves de ouro este fim-de-semana.

















quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Futebol





Futura equipa de futebol do Ozendo.
Fotos de João Suzano, tiradas dia 2 de Fevereiro.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Neve

Ontem...muita chuva e alguma neve!!